Publicidade
Notícias | Região Aglomerados

Deputado pede mais trens em horários de pico à Trensurb

Issur Koch encaminhou ofício à direção da Trensurb solicitando a inclusão de mais trens, especialmente em horários de pico, a fim de evitar aglomerações nas composições. Empresa argumenta que número de passageiros está caindo, mas diz estar atenta à situação

Por Ermilo Drews
Publicado em: 03.03.2021 às 15:55 Última atualização: 03.03.2021 às 17:24

No último dia 23, passageira flagrou trem cheio no começo da manhã Foto: Renata Pereira da Silva de Souza/Especial
O deputado estadual Issur Koch  encaminhou ofício à direção da Trensurb solicitando a inclusão de mais trens, especialmente em horários de pico, a fim de evitar aglomerações nas composições. “Diariamente temos recebido relatos de passageiros que se queixam de superlotação nos trens. Neste momento em que enfrentamos o pico da pandemia no Rio Grande do Sul, é preciso que a empresa reforce o atendimento ao público e amplie a oferta de trens para diminuir as possibilidades de contágio”, destacou.

Além de disponibilizar mais trens com mais vagões acoplados, o parlamentar sugeriu que a empresa amplie o número de agentes de segurança para que orientem os passageiros a manter o distanciamento social e utilizem máscaras. “Infelizmente, não são poucos os relatos de pessoas que se negam a usar máscara ou que, após entrarem no trem, retiram a proteção. Da mesma forma, é importante que a Trensurb amplie os pontos com álcool em gel em todas as estações”, definiu.

A Trensurb informa que segue atenta a uma eventual necessidade de aumento da oferta de serviço, mas explica que a demanda de passageiros tem caído bastante com o agravamento da pandemia e o aumento das restrições das atividades econômicas. Na semana de 8 a 12 de fevereiro, a empresa chegou a transportar 85.651 passageiros por dia útil. Na semana seguinte, foram 82.350 embarques no metrô por dia útil. Já entre os dias 22 e 26 de fevereiro, a média de usuários foi de 75.513. Nesta segunda (1º) e terça-feira (2), foram, respectivamente, 63.022 e 61.878 passageiros, menores números em dias úteis desde o início do ano.

“Mesmo antes dessa queda no número de passageiros transportados, a demanda já era reduzida, mantendo-se próxima a 50% da demanda normal, anterior à pandemia. Desse modo, a avaliação da Trensurb já era de que a oferta nos horários de pico (até 25 trems rodando simultaneamente, muito próxima da oferta normal pré-pandemia, com até 26 trens simultâneos) era suficiente para atender a determinação do governo do Estado que limita a ocupação dos veículos em 50% de sua capacidade – o que corresponde a três passageiros por metro quadrado”, argumenta a Trensurb, em nota.

Empresa pede colaboração de passageiros

A Trensurb informa ainda que realiza monitoramento constante da situação do sistema, posicionando trens reservas ao longo da via para que entrem em operação nos horários de pico em caso de necessidade.

A fim de evitar eventuais aglomerações, orienta que os usuários fiquem atentos ao uso de toda a área de parada dos trens nas plataformas enquanto aguardam o embarque, especialmente no caso de composições acopladas. “Do contrário, pode haver concentração de passageiros no interior dos carros centrais dos trens”, observa. Avisos sonoros nas estações reforçam essa orientação – além de divulgarem campanha de conscientização desenvolvida pela empresa sobre as medidas de prevenção à Covid-19.

“Também é importante que os usuários busquem evitar os horários de pico quando possível e que os empregadores cumpram a orientação presente nos protocolos de distanciamento do governo do Estado referente à flexibilização dos horários de entrada e saída do trabalho, evitando que haja grande concentração de passageiros no transporte público em apenas alguns horários”, encerra.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.