Publicidade
Notícias | Região Aposentadoria

Após reajuste de 5,45%, aposentados lutam para equilibrar o orçamento

Novo reajuste da categoria está na média, mas não supre necessidades dos beneficiários. Aposentados que recebem mais de um salário mínimo terão acréscimo de 5,45% nos vencimentos a partir deste mês

Por Shállon Teobaldo
Publicado em: 24.01.2021 às 06:00 Última atualização: 24.01.2021 às 08:15

Há quem pense que o Dia do Aposentado, neste domingo, é uma comemoração. Mas para Mauro Guedes, 67 anos, que faz parte da direção da Associação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas de Canoas (Atapec), a data representa a luta pelos direitos da categoria.

Leia todo o conteúdo EXCLUSIVO ASSINANTES

"Em 24 de janeiro de 1923 foi criada a primeira previdência no Brasil e, em 1981, um decreto tornou a data Dia do Aposentado", conta ele. O principal objetivo do benefício, conforme Guedes, é a qualidade de vida. Há diversas necessidades envolvidas: saúde, acessibilidade (física, visual e auditiva), respeito e, claro, dignidade para o idoso (a ser garantida pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS).

Aumento de R$ 55

A resolução de aumento para 2021 instituiu acréscimo de 5,45% nos valores de aposentadoria para beneficiários que ganham acima de um salário mínimo nacional. O reajuste (a ser pago a partir de segunda), que não chega a R$ 100,00, ajuda, mas não supre as necessidades. "Contribuímos muitos anos e a 'recompensa não compensa'", comenta Guedes. "O aposentado hoje em dia conta as moedas para sobreviver."

Somente em Canoas, a população com mais de 60 anos representa cerca de 20% do total. No regime geral de aposentadoria, conforme dados da Atapec, 64 mil aposentados vivem na cidade. Esses colocam em torno de R$ 90 milhões ao mês na economia municipal.

Em relação aos beneficiários que ganham um salário mínimo, o ajuste se dá conforme a determinação do governo federal anual. O piso subiu de R$ 1.045,00 para R$ 1.100,00, uma adição de R$ 55,00 mensais. 

Trabalhador, eu sou você amanhã: em busca de um futuro melhor

Apesar das boas intenções, a Atapec alerta os familiares e instrui os idosos a respeito de um tipo de violência comum, mas não muito falado: a exploração financeira. "As pessoas precisam respeitar os idosos, ponderou Guedes. "Não é justo que um aposentado tenha que usar todo seu benefício para custear despesas dos outros."

No trabalho da associação em favor da terceira idade em Canoas destacam-se algumas iniciativas: a doação de óculos e próteses (em fase de captação de parceiros), a inclusão digital dos mais velhos, para que estejam preparados para lidar com a tecnologia, além da criação da Casa da Sabedoria, semelhante a uma "creche" para idosos.

Guedes quer garantir que ser aposentado seja mais fácil para os próximos idosos. Formado em Administração, mesmo após se aposentar na categoria especial por trabalho insalubre, também nunca deixou o mercado. "Meus ganhos são para ajudar seis pessoas, só com o benefício do INSS não tem como", conta.

"Não dá nem para comprar um botijão de gás"

Aposentado desde 2015, Marino Augusto Politta Ramos (fotos), 70 anos, morador do Bairro Guajuviras, em Canoas, não pôde parar de trabalhar após alcançar o benefício.

Com três pessoas para sustentar, além de si mesmo, o idoso precisou continuar ativo no mercado para complementar a renda. "O reajuste não acompanha o custo de vida, mesmo que vivamos da forma mais simples possível", desabafou ele.

Enfermeiro por formação, Ramos atuou 10 anos na área e depois, fez de "tudo um pouco": vendedor, distribuidor, motorista de caminhão e, mesmo assim, nada era suficiente para garantir uma vida razoável para a família.

Diante da situação e já mais velho, decidiu fazer um curso de portaria, profissão atual. Mesmo assim, além do salário de porteiro e a aposentadoria, pouco menos de dois salários mínimos, Ramos tem uma marcenaria em casa.

"Não imaginava que teria que continuar trabalhando depois da aposentadoria, pensei que poderia aproveitar o descanso, mas sou a única renda da casa e preciso de várias frentes para não deixar faltar nada", enfatizou.

Seu Marino se considera uma pessoa organizada financeiramente. O porteiro ainda usa parte dos recursos mensais para a caridade na igreja Mórmon. Com base em sua realidade, prevê trabalhar até o corpo pedir para parar. "Com esse acréscimo da aposentadoria não consigo nem comprar um botijão de gás", desabafa. "Enquanto tiver saúde, vou seguir." O valor máximo do teto do INSS para uma ótima aposentadoria é de R$ 6.101,06. E não é fácil chegar no patamar.

Aposentadorias e a contribuição para a economia

Na lista do INSS aparecem sete categorias de aposentadorias: invalidez previdenciária, invalidez aeronauta, idade, tempo de contribuição, especial, tempo de serviço de professor e invalidez por acidente de trabalho. Canoas e Nova Santa Rita possuem juntas 21.309 aposentados, segundo números do INSS.

"Considerando o reajuste de 5,45% para os benefícios maiores que o salário mínimo, o impacto financeiro (somados os dois municípios) trará um acréscimo na folha mensal de R$ 4.029.404,05", ressaltou o gerente executivo da agência de Canoas do INSS, Alberto Alegre.

O percentual de aumento é baseado em indicadores de inflação, mais ganho real. O Ministério da Economia define para todo o país, anualmente, em janeiro. "Essa é a importância da Previdência: renda para o município. É fantástico", pontua Alegre. "As pessoas tem que ter um olhar para a Previdência. Neste período de pandemia, os valores foram fundamentais para as contas básicas das famílias."

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.