Publicidade
Notícias | Região Polícia

Seguranças de Sapiranga são investigados por espancar e jogar homem em poço

Três vigilantes devem ser indiciados nesta quinta-feira por tentativa de homicídio contra usuário de drogas suspeito de furto

Por Silvio Milani
Publicado em: 02.12.2020 às 20:50 Última atualização: 02.12.2020 às 20:53

nonono Foto: Polícia Civil
Ao investigar o que estava por trás do homem socorrido quase morto em um poço de cinco metros de profundidade em um ex-manicômio em Gravataí, no fim de outubro, a Polícia Civil chegou a três vigilantes de Sapiranga. Eles devem ser indiciados nesta quinta-feira (3) por tentativa de homicídio. O dono da empresa de segurança privada nega envolvimento dele e dos funcionários. A vítima está em clínica de reabilitação para dependentes químicos.

nonono Foto: Polícia Civil
O caso começou como um horrendo mistério. Por volta das 8 horas de 20 de outubro, um ciclista ouviu gemidos nas ruínas de extinto hospício às margens da RS-020, em Gravataí. Chegou mais perto e tomou susto ao ver que era um homem no fundo de um poço. A borda, tomada de sangue, indicava que ele tinha sido espancado e jogado lá embaixo. Uma complexa operação de resgate foi feita pelo Corpo de Bombeiros. “Ele estava muito machucado. Não morreu por detalhes e foi hospitalizado”, conta o delegado de Homicídios de Gravataí, Ricardo Milesi.

Memória

Não havia qualquer pista sobre como o homem foi parar ali. Ele não era de Gravataí. “A vítima perdeu a memória recente. Não recorda de nada”, acrescenta o delegado. A identificação veio dois dias depois. Era um morador de Sapiranga de 40 anos. “Passamos a reconstruir os fatos a partir de relatos de terceiros e apuramos que tinha sido arrebatado seis horas antes, em um galpão onde dormia, usado por usuários de drogas às margens da RS-239, em Sapiranga.”

 

Vídeo revelador

O homem teria cometido um furto na cidade pouco depois da meia-noite. “Três vigilantes o encontraram por volta das 2 horas e o colocaram no carro da empresa de segurança. Disseram, a moradores da área, que o conduziriam para registro de ocorrência, só que nunca o levaram à delegacia.” E revela: “A gente descobriu um vídeo que mostra a vítima sendo levada pelos seguranças até o veículo.” A reportagem apurou que, entre a noite de 19 de outubro e manhã do dia seguinte, nenhum furto em Sapiranga foi comunicado à Brigada Militar e Polícia Civil.

 

Delegado aponta contradição

Milesi conta que, além relatos de testemunhas e do vídeo, há contradições que incriminam os seguranças. “No primeiro depoimento, um deles alegou que nunca tinha participado de uma ação envolvendo aquela vítima. Afirmou que sequer a conhecia a vítima. Quando a gente apresentou o vídeo, ele fez outro depoimento com outra versão. Admitiu participação, mas alegou que deixaram a vítima na saída da cidade.” Para o delegado, uma história sem fundamento. “O poço fica a 30 quilômetros de distância. A vítima levaria de 6 a 8 horas para fazer o trajeto.”


Justiceiros fora da lei

O delegado frisa que os seguranças não foram atrás do suspeito para encontrar objetos furtados, mas para uma espécie de “prisão”. “Uma situação é tentar recuperar um bem subtraído. Outra é o objetivo de chegar à pessoa para castigar. E essa procura deve ser feita pela Polícia.” É apurado por que escolheram o manicômio abandonado em Gravataí para deixar a vítima.

É caso de júri

Para Milesi, o caso está esclarecido como tentativa de homicídio. O inquérito deve ser concluído nesta quinta-feira com o indiciamento dos três. “A vítima estava bastante machucada, quase morrendo.” Se mantida a acusação na fase processual, os indiciados devem ir a júri e podem pegar pena de seis a 20 anos de prisão. A vítima se recuperou das lesões, voltou para Sapiranga e está em tratamento para deixar o vício em drogas.


''Não fomos nós'', diz dono de empresa

O dono da empresa investigada diz que não tem relação com o crime. “Ninguém tem prova contra nós. Tenho prova que não fomos nós”, declara o vigilante de Sapiranga. Ele diz que conhece a vítima somente por um apelido. “Na minha empresa ninguém é Jesus para tirar a vida dos outros. Quem pode é só Deus. É uma acusação muto forte. As pessoas que largaram num poço têm que ser punidas.”

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.