Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Região

Preocupação com a desocupação de áreas

Publicada: 02.11.2019 às 07:30

esde o começo, uma das principais preocupações do Dnit com a obra era a desapropriação e desocupação das áreas. A ação, sob a responsabilidade do próprio Dnit, recebeu o orçamento de R$ 200 milhões, dinheiro usado para que cada uma das 350 famílias cadastradas no programa de reassentamento pudesse escolher onde queria morar. Paula Daiane Lopes é uma das contempladas pelo reassentamento.

A diarista de 34 anos deixou a região da Ilha do Marinheiro, onde viveu nos últimos oito anos, para garantir uma casa em Canoas, onde hoje mora com os três filhos menores. "Minha vida mudou para melhor", afirma. "Lá na Ilha era tudo muito complicado. Consegui uma casa bem boa. Cheguei em Canoas e logo consegui emprego e agora vivo bem com os meus filhos", conta. "Todo o processo foi muito tranquilo desde o início."

São 470 acordos judiciais acordo judiciais para a desocupação na Ilha Grande dos Marinheiros. Até o momento, são 130 mudanças de famílias já realizadas para o andamento da obra seguir.
O maior problema, no entanto, é a demora no processo de retirada das famílias que vivem em Vila Areia e Tio Zeca, que ficam ao lado da free way.

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.