Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Especial Coronavírus efeito coronavírus

De máscaras a alimentos, crise do coronavírus mobiliza a solidariedade por todos os lados

Prefeitura de Gravataí criou comitê de solidariedade para enfrentar o coronavírus. Fora dos gabinetes, ações voluntárias se multiplicam pela região

Por Eduardo Torres
Última atualização: 26.03.2020 às 14:52

Neuza Vicentini faz máscaras para amigos e familiares Foto: Arquivo Pessoal
A produção no apartamento da funcionária pública Neuza Vicentini, 69 anos, em Gravataí, é intensa nos últimos dias. Apesar, ou melhor, justamente pelo isolamento, ela resolveu colocar em prática seu dom com a costura para ajudar o próximo. Somente na terça (24), ela confeccionou 45 máscaras de tecido em sua máquina de costura e distribuiu a amigos, familiares e vizinhos do condomínio.

"Este é um momento em que todos precisam se ajudar. Claro que eu não tenho condições de manter uma produção industrial, né. Mas o que posso fazer, tenho feito", garante Neuza, que é presidente do Sindicato dos Municipários de Gravataí;

No caso da Neuza, a ação solidária partiu dos tecidos e elásticos que ela já tinha guardados em sua casa. E como tem 69 anos, encontrou um jeito de ajudar sem sair de casa.

Ações como a dela não são exceção neste período de mobilização para conter o avanço do coronavírus. Pensando nisso, a prefeitura de Gravataí anunciou a criação de um comitê de solidariedade para centralizar doações, sobretudo, de empresas para o setor da saúde.

"Buscaremos mobilizar a cidade para arrecadar recursos para a compra mais rápida e sem burocracia de equipamentos para a saúde, como respiradores e testes rápidos", disse, durante transmissão ao vivo pelo facebook o prefeito Marco Alba (MDB) na noite de terça (24).

E na tarde desta quarta (25), as primeiras doações já chegaram ao novo comitê. Foram entregues 1,5 mil óculos de proteção individual da General Motors (GM), e, da TDK Brasil, que fabrica capacitores em sua unidade do Parque dos Anjos, vieram 5 mil máscaras cirúrgicas.

“Desde o início do nosso governo, em 2013, mantivemos uma relação transparente com as lideranças empresariais, de parceria, de diálogo franco, e agora chegou o momento de termos mais essa contrapartida de quem tanto já colabora com o crescimento de nossa cidade, que são os empresários, nos diversos setores. Infelizmente, sozinho, o governo não dará conta de tudo”, afirma o prefeito.

Arrecadação de alimentos

E se empresas de grande já iniciaram este diálogo com o município, distante dos gabinetes, a ação voluntária começa a florescer.

Desde a semana passada, por exemplo, o Luís Henrique Walther, que tem uma loja virtual e tem passado os últimos dias com a mãe no bairro Morada do Vale II, criou um grupo para arrecadar materiais às pessoas mais necessitadas neste momento.

"Comecei a espalhar a ideia pelas minhas redes sociais e as pessoas começaram a procurar, não só para doar, mas também para receber. É isso que me preocupa. Tem famílias com até dez crianças que realmente precisam da nossa ajuda", diz.

Segundo Luís Henrique, oito famílias de Gravataí já fizeram uma espécie de cadastro com ele. O objetivo agora é arrecadar principalmente alimentos — especialmente leite — para este apoio.

"Quando chegarmos a uma quantidade boa de material arrecadado, vou entregar para estas famílias. Por enquanto, poucas pessoas nos procuraram. É bom que todos tenham consciência de que quem não tem trabalho vai sofrer ainda mais neste período", comenta o microempresário.

Apoio aos caminhoneiros

Já nas margens da free way, um grupo de amigos de Santo Antônio da Patrulha e Gravataí se mobilizou para ajudar aqueles que não podem parar com a crise do coronavírus, os caminhoneiros. No começo da manhã, foram para o acostamento da rodovia e distribuíram 80 lanches aos motoristas e também aos catadores e andarilhos que passavam pela região da Lagoa dos Barros.

Catadores que passavam pelo acostamento da rodovia também receberam lanches Foto: Arquivo Pessoal

"Temos um estabelecimento pequeno na Lagoa dos Barros e sabemos da importância que os caminhoneiros têm para o comércio, os mercados e postos de combustíveis continuarem funcionando. Nada mais justo do que garantirmos essa assistência a eles. Queremos mostrar que tem gente que se importa de verdade. Imagina se eles ficassem em casa", diz a comerciante Cida Löff, que foi com o filho e alguns voluntários para a rodovia nesta quarta (25).

A ideia é repetir a ação nos próximos dias, e angariar ainda mais apoiadores. É necessário, já que, ao longo das rodovias, os restaurantes estão fechados pelas medidas restritivas para impedir a propagação do coronavírus.

COMO AJUDAR:
Procure a Assistência Social das prefeituras de Gravataí e Cachoeirinha
Para apoiar a campanha do Luís Henrique, procure pelo 98158-2746 ou pelo instagram @paratleta_luishvw
Para apoiar a campanha de ajuda aos caminhoneiros na free way, procure pelo 99958-9507

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade
Matérias relacionadas

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.