Publicidade
Acompanhe:
Cotidiano | Entretenimento Cinema

Adeus a Fábio Barreto, cineasta que mobilizou o Vale do Sinos

Diretor que morreu nesta quarta-feira (20) filmou na região A Paixão de Jacobina, de 2002

Por André Moraes
Última atualização: 21.11.2019 às 15:51

O cineasta morreu na quarta-feira à noite, aos 62 anos, no Rio de janeiro Foto: Reprodução
O noticiário e a mídia nacional estão repercutindo a morte de Fábio Barreto, cineasta que esteve vários anos em coma após um acidente automobilístico. Ele tende a ser lembrado por produções como O Quatrilho (1995), que concorreu ao Oscar, e o polêmico Lula, o Filho do Brasil, baseada na figura política que ainda hoje mobiliza paixões. Fábio Barreto, porém, também teve uma ligação toda especial com o Vale do Sinos. Ele dirigiu A Paixão de Jacobina, em 2002, filme sobre o episódio dos Mucker que mobilizou a região durante meses.

O episódio dos Mucker é um dos mais conhecidos do Estado e da região, e já havia sido tratado em uma produção local nos anos 70. Nos anos 2000, contudo, recebeu tratamento caprichado no filme que adaptava um romance de Assis Brasil. As filmagens tiveram direito a estrelas nacionais na região, como Letícia Spiller e Thiago Lacerda, passando por elenco coadjuvante da região e locações aqui. Mais do que isso, o filme mobilizou prefeituras, moradores, museus e despertou o interesse pela nossa história. Resultados artísticos ou bilheterias à parte.

Vale também lembrar que Fábio, irmão de Bruno Barreto e filho do folclórico e icônico Luiz Carlos Barreto, o Barretão, faz parte de uma dinastia de legítimos cineastas brasileiros. Os Barreto não eram diretores de televisão que às vezes faziam algo para a tela grande, nem cineastas desvinculados do público. Por tudo isso vale o adeus a Fábio, e a saudação da região.

Letícia Spiller em A Paixão de Jacobina, de 2002 Foto: Divulgação

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.