Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
Viver com Saúde

Ginecologista alerta para hábitos que podem provocar doenças no verão

Banhos de mar e piscina podem ser porta de entrada para doenças tradicionais do período
25/02/2019 03:00 01/03/2019 14:01

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Korine Camargo, ginecologista
A chegada das estações mais quentes do ano liga um sinal de alerta para mulheres de todas as idades: a necessidade de um cuidado redobrado com sua saúde íntima. Com as altas temperaturas do verão e o aumento da frequência de banhos de mar e piscina, os momentos de lazer podem acabar funcionando como porta de entrada para doenças tradicionais do período.

A transpiração e a região íntima úmida, pelo calor ou biquínis molhados, oferecem as condições ideais para a proliferação de fungos e bactérias. Irritação, corrimentos e coceira são os principais sintomas de uma série de infecções que podem atingir a região. A campeã de ocorrências é causada pelo conhecido fungo chamado Cândida. Segundo a Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (Sogesp), a candidíase vulvovaginal afeta 75% da população feminina durante as estações mais quentes.

Tratamentos

Além do combate à doença com medicamentos, alguns cuidados precisam ser tomados. E o ano todo. "O tratamento para a candidíase pode ser simples, mas se não realizado corretamente os sintomas podem permanecer por um longo período. Outro aspecto importante é a atenção em relação ao equilíbrio do pH na vagina, que em situações de estresse ou umidade extrema, acaba desequilibrado, deixando a vagina predisposta ao surgimento de casos", explica a ginecologista e obstetra em Novo Hamburgo, Korine Camargo.



  • very happy woman on pink air bed in swimming pool
    Foto: fotolia
  • Korine Camargo, ginecologista
    Foto: Divulgação

Previna-se

- Evite usar roupas muito justas e ficar com o biquíni molhado por muito tempo. É preciso deixar a região seca, além de usar roupas mais leves para permitir uma "transpiração" adequada. Leve sempre um biquíni extra na bolsa caso o plano seja passar o dia na praia.

- Prefira calcinhas de algodão.

- Passar longos períodos com calças ou shorts apertados ou justos demais tende a "abafar" a região íntima. Opte por peças como saias e vestidos.

- Na higiene diária, opte por utilizar sabonetes líquidos íntimos femininos - esses produtos possuem um pH compatível com o da região íntima auxiliando no equilíbrio da flora vaginal.

- Prefira sabão neutro para lavar suas peças, lembrando sempre de enxaguar bem e não deixar a calcinha secando no banheiro.

- Faça uma revisão com seu ginecologista antes de ir à praia. Caso as infecções sejam recorrentes, tenha em mãos sempre os remédios adequados para o tratamento.

Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE