Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
Viver com Saúde

É possível parar de tomar antidepressivos?

Para bons resultados, é preciso aliar medicamentos com a psicoterapia
27/12/2018 11:09

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Interromper tratamento com antidepressivo pode causar sintomas de abstinência
O estigma do uso do antidepressivo é um fardo que muitos dos pacientes psiquiátricos carregam ainda nos dias de hoje. Muitas vezes, os próprios usuários se referem aos psicofármacos como uma “bengala”. Com a lista enorme de exigências que a sociedade atual nos impõe, a mente pode não dar conta de tudo, abrindo espaço para a depressão, ansiedade, fobias e outros transtornos que batem à porta de um número cada vez maior de pessoas.

As doenças mentais estão entre as dez patologias mais prevalentes de um total de 32 doenças incapacitantes para o trabalho, segundo a presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Carmita Abdo.

De acordo com a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), analgésicos, ansiolíticos e antidepressivos lideram as vendas no País ao lado de medicamentos como de diabete, pressão arterial e outras doenças cardíacas. Entre 2013 e 2017, o número de doses de antidepressivos e estabilizantes de humor comercializadas passou de 1,1 bilhão para 1,8 bilhão, uma alta de mais de 60%.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE