Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Júri

Acusado de chacina em Porto Alegre é condenado a mais de 100 anos

Claudiomar do Nascimento da Rosa matou duas mulheres, uma adolescente e uma criança da mesma família em agosto de 2015
09/07/2019 09:15 09/07/2019 09:15

Foto por: divulgação
Descrição da foto: Crime aconteceu em agosto de 2015
Em júri popular nesta segunda-feira (8), jurados condenaram Claudiomar do Nascimento da Rosa pelas mortes de duas mulheres, uma adolescente e uma criança da mesma família, na madrugada de 8 de agosto de 15, no bairro Restinga, na capital. O julgamento terminou às 20 horas de ontem no Foro Central de Porto Alegre. Os jurados também reconheceram a culpa de Rosa pela tentativa de destruição de cadáver e incêndio da casa onde as vítimas residiam.

Com o veredito, a juíza Karen Luise Vilanova Pinheiro estabeleceu a pena total em 156 anos, 6 meses e 20 dias de reclusão em regime inicial fechado. São 146 anos e meio pelos quatro homicídios, 2 anos e 4 meses pela tentativa de destruição (quatro vezes) e 3 anos, 10 meses e 20 dias pelo incêndio. O réu não poderá recorrer em liberdade.

Vítimas

As vítimas foram Lauren Rosiane Farias Fim, então com 27 anos, namorada do réu à época, Vitória Regina Farias Fim (17 anos, sobrinha de Lauren), Sandra Regina Farias Fim (mãe de Lauren, 62) e Gregory Fim da Silva (filho de Lauren, 6). Todos morreram em consequência de cortes profundos no pescoço, na altura da garganta.

Os homicídios foram considerados qualificados pelo uso de recurso que dificultou a defesa das vítimas (que estavam em casa e foram surpreendidas por pessoa conhecida). Em relação às mulheres, houve o reconhecimento do feminicídio nas três mortes, fator que aumenta a pena, assim como o fato de Sandra Regina contar então mais de 60 anos.

Também foram motivos de agravante o crime ter sido cometido na presença de ascendentes e descendentes das vítimas, a idade da criança (menos de 14 anos) e o motivo fútil.

Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE