Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Noroeste do Estado

PM morre em confronto com bandidos que atacaram banco em Porto Xavier

Policiais faziam cerco em área de mata fechada quando houve troca de tiros
25/04/2019 08:56 25/04/2019 08:58

Foto por: @AntenaMisiones/ Twitter/ Reprodução
Descrição da foto: Criminosos usaram cordão humano duranta ataque a banco em Fronteira Xavier
Um policial militar morreu na madrugada desta quinta-feira (25) durante confronto com dois criminosos que participaram do ataque a uma agência do Banco do Brasil em Porto Xavier, na fronteira com a Argentina, no noroeste do Estado. A troca de tiros com os assaltantes aconteceu por volta das 3h40 em uma área de mata na localidade de Linha 1º de Março. Os bandidos tentavam sair do local, quando foram surpreendidos pelos policiais.

De acordo com a major da Brigada Militar Vanessa Peripolli Gerlach, o soldado da BM Fabiano Heck Lunkes foi alvejado por um disparo que atravessou o colete balístico. Ele foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos. "Ele estava com o colete que é usado rotineiramente e suporta até certo calibre. Pelos vestígios no local, o calibre usado pelos criminosos era mais grosso do que o colete podia suportar", lamenta.

Lunkes entrou na BM em 2009 e atualmente servia na cidade de Cerro Largo na fração pertencente ao 7º Regimento de Polícia Montada. Ele deixa esposa e uma filha de 4 anos. 

Ainda segundo a major, os policiais aguardavam a chegada do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), de Porto Alegre, para entrar na mata. O que deveria ocorrer nesta manhã. A tentativa de saída dos criminosos antecipou o confronto. "Nós temos a informação de dois criminosos. Não sabemos se tem mais. A comunidade informa dez, cinco. Não temos a informação exata", afirma a major.

Os criminosos se refugiaram na mata ainda na tarde de ontem, logo após o ataque ao banco e depois de liberar os reféns. Eles foram surpreendidos por policiais militares de Santa Rosa que ajudavam na caçada. 

Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE