Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Crítica ao governo

Tensão cerca manifestação que deve reunir 2 mil indígenas em Brasília

Acampamento da Terra Livre ocorre desde 2004 e foi montado na Esplanada nos Ministérios
24/04/2019 13:15 24/04/2019 13:21

Foto por: CARL DE SOUZA / AFP
Descrição da foto: Acampamento Terra Livre foi montado na Esplanada nos Ministérios
Cerca de dois mil indígenas acamparam nesta quarta-feira (24) em Brasília sob uma forte operação de segurança, iniciando três dias de manifestações para denunciar a expansão das atividades mineradoras e agropecuárias favorecidas pelo presidente Jair Bolsonaro em detrimento de suas terras ancestrais.

Durante a madrugada, os líderes indígenas começaram a instalar seu "Acampamento Terra Livre" na Esplanada nos Ministérios, acompanhados por importantes contingentes policiais. "Nossas terras são sagradas. Não à mineração em terras indígenas", proclama um dos cartazes instalados diante do acampamento montado na frente do Congresso nacional. "Nossos direitos não são negociáveis", diz outro cartaz.

Foto por: CARL DE SOUZA / AFP
Descrição da foto: Forte esquema de segurança foi montado na Esplanada nos Ministérios
O "Acampamento da Terra Livre" acontece desde 2004. Este ano, começa em um clima de tensão em relação ao governo Bolsonaro, que se manifestou repetidas vezes contra novas demarcações de terras indígenas e em favor da expansão das atividades econômicas questionadas pelos povos nativos e pelos defensores do meio ambiente na Amazônia.

"Desde 1º de janeiro [quando Bolsonaro assumiu o cargo], o governo atacou os povos indígenas em todos os seus direitos, sendo um deles a educação", disse à AFP Luana Kumaruara, 33 anos, natural do Pará e professora de Antropologia.

Kumaruara, que está fazendo seu terceiro acampamento, lembrou que o primeiro ministro da Educação de Bolsonaro, Ricardo Vélez (dispensado este mês), continuou dizendo que a universidade não era para todos, o que afetaria o acesso ao ensino superior, tradicionalmente com menos recursos.

Crítica de Bolsonaro

Na semana passada, Bolsonaro questionou a organização deste acampamento. "Haverá um grande encontro de indígenas na próxima semana. Dez mil indígenas são esperados aqui em Brasília, e quem pagará a conta pelos dez mil índios que vêm? Você", afirmou em uma transmissão ao vivo no Facebook.

Essa afirmação foi imediatamente refutada pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), responsável pelo evento, que garantiu que a iniciativa é financiada com campanhas próprias de captação de recursos.

Segundo dados oficiais, cerca de 800 mil indígenas de 305 grupos étnicos vivem no Brasil, um país com 209 milhões de habitantes. A Constituição brasileira determina que esses povos tenham o direito de usufruto exclusivo sobre as terras que ocupam, mas a demarcação é ameaçada pela exploração madeireira ilegal, pela expansão da pecuária e pelo avanço da fronteira agrícola.

Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE