Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Ministério da Educação

Governo muda edital e passa a permitir publicidade e erros de revisão em livros didáticos

Além disso, não será mais necessário que os materiais tenham referências bibliográficas
09/01/2019 16:41

Foi divulgada nesta quarta-feira (9) uma mudança feita pela equipe de governo de Jair Bolsonaro no edital para os livros didáticos que serão entregues a alunos em 2020. De acordo com informações da colunista Renata Cafardo, do jornal O Estado de S. Paulo, o item que impedia publicidade e erros de revisão e impressão também ficou de fora do edital. Além disso, não será mais necessário que os materiais tenham referências bibliográficas. 

Também foi retirada a exigência de que as ilustrações retratem “adequadamente a diversidade étnica da população brasileira, a pluralidade social e cultural do país”, portando as figuras presentes nos livros didáticos não precisariam mostrar negros, brancos e índios.

O Ministério da Educação (MEC) é responsável pela compra dos livros didáticos para todas as escolas públicas do Brasil. De acordo com a coluna, são comprados cerca de 150 milhões de livros por ano, com custo de R$ 1 bilhão e as alterações foram feitas no programa em que os livros serão comprados para o ensino fundamental 2, etapa escolar que vai do 6º ao 9º ano. Porém, os livros já foram enviados ao MEC em novembro do ano passado para avaliação. Com isso, as editoras temem que seus livros sejam reprovados. 



Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE