Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Reservas em campo

Renato deve manter time alternativo contra o Ju e Luan diz estar sem dor

Grêmio recebe o Juventude, na segunda-feira, no primeiro jogo na Arena pelo Gauchão
25/01/2019 20:16

Foto por: Lucas Uebel/Grêmio
Descrição da foto: Luan garantiu estar livre da fascite plantar
Após uma vitória sobre o Novo Hamburgo e um empate com o Aimoré, em dois jogos fora de casa nas duas primeiras rodadas do Gauchão, a expectativa era de que o técnico Renato Portaluppi pudesse aproveitar a primeira partida na Arena, às 20 horas de segunda-feira, contra o Juventude, para colocar os titulares em campo. A programação, entretanto, é de que o grupo principal faça sua estreia na quarta rodada, contra o São Luiz, também em Porto Alegre. Mesmo que o treinador não tenha confirmado nada, a tendência é de time reserva na segunda-feira.

Com isso, os titulares teriam mais tempo de pré-temporada. E foi um dos principais atletas do elenco quem deu entrevista coletiva nesta sexta-feira. Luan falou sobre a possível saída para o Cruzeiro na negociação com Thiago Neves e sobre as dores no pé. "Sempre falei que sou muito feliz aqui no Grêmio. Se for para sair, vai ter que ser uma coisa muito boa para o meu futuro. Todo jogador pensa na parte financeira porque a carreira é curta, mas busco estar feliz. Estou feliz aqui. Isso que teve do Cruzeiro tem que perguntar para o presidente. Se eles estavam falando, não sei, para mim não chegou nada", afirmou o camisa 7.

Luan também garantiu estar livre da fascite plantar. "Estou sem dor. Faço o movimento repetitivo normal. Tive isso (inflamação na planta do pé) por mais de dois anos, joguei assim, não foi fácil. Mas nunca coloquei a culpa no pé pra dar desculpa. Se estava em campo, a responsabilidade era minha. Sempre o intuito foi ajudar. O tempo que fiquei parado foi importante para recuperar. O único tratamento é ficar parado. Não conseguia, queria estar sempre jogando. Nos últimos meses, fiquei parado e consegui voltar bem."


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE