Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Preservação

A arte invadiu o rio Gravataí

Artistas realizaram a performance Dilúvio MA nas águas ao lado da Casa de Cultura
13/03/2019 10:28 13/03/2019 10:28

Foto por: Fernando Lopes/GES
Descrição da foto: Artistas realizaram a ação em cima do rio Gravartaí
Quem passou pela ponte do Rio Gravataí na manhã de ontem teve sua atenção chamada para uma cena inusitada. Um guindaste segurava uma espécie de rede e dentro dela havia muito lixo. Mas não era só isso. Junto aos objetos, um casal fazia uma performance. A cidade recebeu ontem uma apresentação do projeto Ecopoética com a performance Dilúvio MA: Arte sobre as águas do Rio Grande do Sul.

De acordo com Rodrigo Shalako, coordenador técnico e cenógrafo do projeto, esta performance urbana tem o intuito de trazer os contrapontos das cidades. “Todo mundo está correndo e é preciso dar uma parada para refletir. A performance visa chamar a atenção do público. A ação tem ligação direta com a poluição e o meio ambiente”, explica.

Os atores Rossendo Rodrigues e Marina Mendo são os responsáveis pela performance. Em 2017, o Ecopoética realizou intervenções sobre os rios Tietê/SP, Ipojuca/PE e Capibaribe/PE – que integram o ranking dos 10 rios mais poluídos do Brasil segundo o IBGE. Ao longo desse processo a equipe observou que todo grande centro urbano é atravessado por um rio extremamente poluído, destinatário de esgoto, resíduos variados e em situação de abandono. Em 2019, a performance será realizada sobre rios do Rio Grande do Sul, sendo que três deles (Sinos, Gravataí e Caí) também integram o ranking dos 10 mais poluídos do Brasil.

Crianças de olho

Foto por: Fernando Lopes/GES
Descrição da foto: Alunos acompanharam a ação
Alunos de algumas escolas municipais acompanharam a performance. Entre eles estavam os estudantes da Escola Municipal de Ensino Fundamental Portugal, uma das maiores de Cachoeirinha. De acordo com a professora Naira Abesch Silveira, antes de saírem para acompanhar o trabalho, os alunos conversaram sobre o assunto em sala de aula. “Esta já é uma prática comum na escola. O cuidado com o meio ambiente é diário. Os alunos sabem da importância da preservação e de se manter a área bem cuidada”, afirma.

A escola tem um pátio grande e arborizado. “Por isso, sempre enfatizamos que se deve manter o lixo no lugar”, acrescenta. Os alunos Guilherme Tormann e Isque dos Santos Gonçalves disseram ter se arrepiado ao acompanhar a performance. “Eles estão em cima do lixo e aí a gente percebe que foi a própria população que produziu e ela mesma que se prejudica”, diz Guilherme. “A gente tem que cuidar do ambiente. Quando largamos o lixo no chão é a nós mesmos que estamos fazendo mal”, acrescenta Isaque.

Hoje tem oficinas

Foto por: Fernando Lopes/GES
Descrição da foto: Performance foi realizada pela primeira vez em Cachoeirinha
Se ontem foi dia de performance, hoje será a vez das oficinas e debates. A oficina irá partilhar os procedimentos utilizados nas criacões artísticas da plataforma Ecopoetica, oportunizando a jovens estudantes uma experiencia mais abrangente do fazer/pensar estético que da vida à obra. Partindo de praticas de sensibilizacao do olhar sobre espaços abandonados à poluição, explorações do imaginário urbano, vivências musicais e teatrais, a oficina fomenta o desenvolvimento de acoes que encoragem os alunos a atuar com responsabilidade sobre os ambientes da cidade.

No debate serão abordadas questões ambientais, comportamentais, filosóficas, políticas públicas e privadas, a partir da exibição de vídeos, fotos e depoimentos dos integrantes do coletivo, com grande espaço para perguntas e interlocuções variadas com os participantes.

A reportagem esteve na Casa de Cultura na manhã de ontem acompanhando a performance e procurou algum representante do local que pudesse dar entrevistas e falar sobre as oficinas. Porém, ninguém foi encontrado para responder. De acordo com a assessoria de imprensa dos realizadores do evento, as oficinas e debates acontecerão ao longo do dia.



  • Artistas realizaram a ação em cima do rio Gravartaí
    Foto: Fernando Lopes/GES
  • Alunos acompanharam a ação
    Foto: Fernando Lopes/GES
  • Performance foi realizada pela primeira vez em Cachoeirinha
    Foto: Fernando Lopes/GES

Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE