Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Boa notícia

Morte por Aids no Rio Grande do Sul tem redução de 15% em quatro anos

O Estado está entre os que apresentaram maior redução de óbitos pelo vírus
27/11/2018 20:30 27/11/2018 20:32

Foto por: Jens Kalaene/dpa/AFP/Arquivo
Descrição da foto: O Brasil registrou uma redução de 16,5% na taxa de mortalidade por aids nos últimos quatro anos
O novo Boletim Epidemiológico de HIV/Aids, lançado nesta terça-feira (27) durante evento de celebração dos 30 anos do Dia Mundial de Luta contra a Aids, em Brasília, revela que no período de 2014 a 2017 houve uma redução no coeficiente de mortalidade no Rio Grande do Sul, que caiu de 10,6 óbitos por 100 mil habitantes, em 2014, para 9 óbitos em 2017, o que representa uma redução de 15%.

Em relação aos casos, desde o ano de 2014 também se observa redução da taxa de detecção de aids no Rio Grande do Sul. Eram 39,5 casos por cada 100 mil habitantes, em 2014, e, em 2017, são 29,4 para cada 100 mil habitantes, o que representa uma redução de 25,5%.

No País, melhoria no diagnóstico, ampliação do acesso à testagem e redução do tempo entre o diagnóstico e o início do tratamento derrubaram casos e óbitos no mesmo período. O Brasil registrou uma redução de 16,5% na taxa de mortalidade por aids nos últimos quatro anos.

Segundo dados oficiais, o País passou de contabilizar 5,7 mortes por 100 mil habitantes em 2014 para 4,8 mortes devido à síndrome em 2017. O número de casos detectados também diminuiu, passando de 21,7 por 100 mil habitantes em 2012 para 18,3 casos em 2017.

"É a primeira vez que se tem uma queda tão grande de mortalidade por aids" no Brasil desde 1996, quando os coquetéis foram colocados em prática no Brasil, explicou a médica Adele Benzaquem, diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

De 1980 a junho de 2018, o Brasil registrou 926.742 casos de aids, o equivalente a uma média de 40 mil novos diagnósticos por ano. No entanto, anualmente, a série histórica está em declínio desde 2011.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE