Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Polícia Federal

Empresários das áreas de concreto, areia e pedra são alvos de operação por fraude ao Fisco

Agentes realizam buscas e apreensões em 14 cidades, entre elas São Sebastião do Caí
07/11/2018 09:02 07/11/2018 09:04

Foto por: Polícia Federal/Polícia Federal/Divulgação
Descrição da foto: Altas quantias em dólares e reais foram apreendidas na casa do principal investigado
Uma operação para reprimir os crimes de lavagem de dinheiro, fraudes e corrupção tem como alvo empresários da área de produção de concreto, extração e comércio de areia e pedra na manhã desta quarta-feira (7). Agentes da Polícia Federal e da Receita Federal cumprem 37 mandados de busca e apreensão e oito de prisão nas cidades de Santa Maria, Porto Alegre, Bagé, Carazinho, Caxias do Sul, Frederico Westphalen, Garibaldi, Maquiné, Panambi, Passo Fundo, Rosário do Sul, São Sebastião do Caí e Três de Maio, e em Camboriú, em Santa Catarina.

Na residência do principal investigado, os policiais encontraram 150 mil reais, mais 20 mil dólares.

Investigação

Segundo o inquérito policial, os investigados teriam sonegado tributos e contribuições sociais, desviado patrimônio das suas empresas endividadas e que se encontram em recuperação judicial, e ocultado o lucro dos crimes por meio da criação de empreendimentos de fachada. São objeto da investigação, 14 empresas controladas por um único grupo estabelecido em Santa Maria.

O valor da dívida constituída pela Receita Federal é de aproximadamente 180 milhões de reais. A pedido da Polícia Federal, a 7ª Vara Federal de Porto Alegre decretou a indisponibilidade de um patrimônio inicialmente estimado em 81 milhões de reais.

Os crimes investigados na Operação Caementa são organização criminosa, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, apropriação indébita previdenciária, omissão de vigência de contrato de trabalho, crimes falimentares, fraude a licitações, extorsão e corrupção.

O nome da operação é uma referência ao termo latino caementa, que significa “pedras pequenas”. Mais de 150 policiais federais e 16 auditores fiscais participam da ação.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE