Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Gilson Luis da Cunha

A noite em que a ficção invadiu a realidade

Diário de bordo de um nerd no planeta Terra (DATA ESTELAR 04112018)
04/11/2018 07:30

Gilson Luis da Cunha

Gilson Luis da Cunha é doutor em Genética e Biologia Molecular pela Ufrgs, Old School Nerd, fã incondicional de livros filmes, séries e quadrinhos de ficção científica, fantasia e aventura

www.gilsonluisdacunha.com.br

A última terça-feira marcou a data dos oitenta anos do mais bizarro incidente na história da teledramaturgia: a transmissão de A Guerra dos Mundos, numa adaptação para radio drama narrada pelo futuro ator e cineasta Orson Welles (foto a seguir) para o The Mercury Theatre On Air, um programa da rádio CBS de Nova York, em um episódio especial de Halloween. "Senhoras e senhores, interrompemos nosso programa de música dançante para trazer um boletim especial", inicia a narração. "Os marcianos pousaram em Nova Jersey!". Com essas palavras teve início o maior reality show involuntário de todos os tempos (bom, deve estar entre os três, certamente).

Quase na mesma hora, o pânico se espalhou por boa parte do país, como um rastilho de pólvora, levando a uma série de incidentes tragicômicos que ficariam imortalizados no telefilme The Night That Panicked America, de 1975. Você deve estar se perguntando como parte da nação enlouqueceu desse jeito, a ponto de muita gente, literalmente, fugir para as montanhas ou, até, cometer suicídio. Bem, não há uma resposta simples. O ano era 1938. Um galão de gasolina custava dez cents. Franklin D. Roosevelt era o presidente e o rádio era a forma mais popular de entretenimento. Além disso, o episódio, de Halloween, de um modo um tanto maroto, substituiu a ambientação britânica do livro de H.G. Wells pela costa leste dos Estados Unidos. Some-se a isso a crescente tensão entre os Estados Unidos e a Alemanha Nazista, às vésperas da Segunda Guerra Mundial, e o resultado só poderia ser o que aconteceu.

O programa começou com a música tema do The Mercury Theatre On Air e um anúncio de que o espetáculo da noite seria uma adaptação de A Guerra dos Mundos. Orson Welles leu um prólogo que era, inicialmente, quase fiel ao livro de H.G. Wells. Tudo mudaria, radicalmente, logo em seguida. A meia hora seguinte foi transmitida como se fosse uma programação de rádio normal, interrompida por boletins especiais que surgiam durante um programa de música dançante, noticiando a ocorrência de explosões observadas por astrônomos, na superfície de Marte, seguidas, não muito tempo depois, pelo relato de um objeto voador não identificado caindo numa fazenda em Grover's Mill, Nova Jersey, onde a polícia e uma multidão de curiosos se concentrava.

O relato se torna dramático, ao contar o modo como os marcianos saem do tal objeto matando várias pessoas com seus "raios de calor" (Flash Gordon e Buck Rogers mandam lembranças). Daí em diante, novos boletins, entrecortados, como quem está transmitindo ao vivo de uma zona de guerra, dão conta de que uma invasão em escala global está em andamento e que gigantescas máquinas de guerra marcianas se dirigem rumo a Nova York lançando nuvens de gás venenoso em seu caminho. E o resto é história.

Há quem sustente que a mudança do formato do programa para um estilo mais realista e o pequeno número de comerciais (o primeiro só foi ao ar meia hora depois do início) podem ter contribuído para o gigantesco equívoco. Para piorar o cenário, a história só voltou após um breve interlúdio musical, dando a impressão de se tratar de uma reportagem verdadeira. A cidade de Grover's Mill foi escolhida aleatoriamente por Welles e sua equipe, em pleno andamento do programa.

No telefilme que dramatiza o evento, há uma cena engraçada. Um bando de matutos que ouviu o programa de rádio sai com suas espingardas atrás "daqueles malditos marcianos". No meio da noite, com pouca luz, uma caixa d'água foi confundida com um tripod marciano e levou chumbo, causando uma grande dor de cabeça ao grupo e sérios prejuízos ao proprietário de uma fazenda local.

Nos dias que se seguiram à apresentação do episódio, houve uma onda de indignação na mídia e pedidos de regulamentação dos programas de rádio pela comissão federal de comunicações. Em 1988, o ouvinte Henry Sears disse à ABC News que todos estavam pegando suas carabinas e indo para Grover's Mill. No entanto, pesquisadores de mídia sugerem que a histeria em massa reportada após a transmissão pode ter sido produto de sensacionalismo.

O mito popular detalha gente fugindo de suas casas em pânico, mas muitas teorias recentes sugerem que a maioria dos ouvintes, naquela noite, preferiu um programa de comédia, o Chase and Sanborn Hour, transmitido por outra rádio. Entretanto, para o bem ou para o mal, o incidente catapultou a carreira de Orson Welles, que viria a se tornar um dos mais reconhecidos atores e cineastas norte-americanos do século 20. Vida longa e próspera e que a força esteja com você. Até domingo que vem.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE