Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Ilha do Norte

Pescador salva bebê que confundiu com uma boneca na Nova Zelândia

"Seu rosto parecia de porcelana, com o cabelo curto junto ao rosto, mas ela soltou um pequeno grito e pensei: 'Meus Deus, é um bebê e está vivo!".
06/11/2018 12:43 06/11/2018 12:45

Um pescador da Nova Zelândia salvou um bebê de um ano e meio que boiava no mar ao confundi-la com uma boneca, informou a imprensa local. "Pensei que era uma boneca", contou Gus Hutt ao jornal Whakatane Beacon. O caso aconteceu no último dia 26.

"Então estendi a mão, o agarrei pelo braço e ainda assim continuei pensando que era somente uma boneca", acrescentou, lembrando sobre o aconteceu em uma praia de Bay of Plenty, na Ilha do Norte.

"Seu rosto parecia de porcelana, com o cabelo curto junto ao rosto, mas ela soltou um pequeno grito e pensei: 'Meus Deus, é um bebê e está vivo!". Era Malachi Reeve, de 18 meses.

O bebê saiu da barraca de camping em que dormia com seus pais à beira mar. Ele a abriu e foi em direção à água, onde foi arrastado pela correnteza. Nesse dia, Hutt decidiu pescar a cerca de 100 metros de onde costuma ir. "Se eu não estivesse ali, ou se tivesse estado um minuto mais tarde, eu não o teria visto", acrescentou.

"Ele teve muita sorte porque não estava predestinado a ir embora. Sua hora não tinha chegado chegado".

Seus pais correram para recepcioná-lo no acampamento. Sua mãe, Jessica Whyte, explicou ao portal de notícias Stuff, que seu filho estava "roxo, frio e parecia encolhido". O bebê se recuperou.

Jonty Mills, diretor-geral da Water Safety New Zealand, uma organização encarregada de promover a segurança nos rios, lagos e praias, declarou à AFP que era "una história bastante milagrosa de sobrevivência" e pediu aos pais para redobrarem precaução.

"Basta menos de um minuto para que uma criança se afogue".


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE