Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
AVC

Saiba identificar sinais de um derrame cerebral

Entre os sintomas estão: dor de cabeça intensa sem causa conhecida, confusão mental, dificuldade de fala, dificuldade para caminhar, alterações súbitas de visão, fraqueza ou dormência na face, nos braços ou nas pernas, especialmente se isso ocorrer de um lado do corpo
04/10/2018 14:45 04/10/2018 14:47

Foto por: Pixabay-Engin_Akyurt/Divulgação
Descrição da foto: AVC acontece quando o suprimento de sangue que vai para o cérebro é rompido
O acidente vascular cerebral (AVC), também conhecido como derrame cerebral, é a terceira doença que mais causa mortes no mundo, atrás apenas de doenças cardíacas e câncer. Prevenir seu surgimento, portanto, é importante, assim como saber identificá-lo e procurar um serviço de emergência na hipótese de sua ocorrência. Sobre este assunto, acompanhe a entrevista com a médica clínica geral e plantonista do Pronto Atendimento da Unimed Encosta da Serra, Daiana Eltz.

O que é o Acidente Vascular Cerebral, o AVC?
Ele acontece quando o suprimento de sangue que vai para o cérebro é rompido, podendo ocorrer de duas formas: AVC isquêmico (que é causado por falta de circulação sanguínea numa área do cérebro, provocada por obstrução de uma ou mais artérias) e AVC hemorrágico (que é causado por sangramento cerebral provocado pelo rompimento de um vaso sanguíneo ou por traumatismos).

Foto por: Divulgação
Descrição da foto: Clínica geral Daiana Eltz
Qual dos dois tipos é mais comum?
AVC isquêmico é o tipo mais comum, atingindo 80% dos pacientes. Dentro do AVC isquêmico, ainda há um subtipo, chamado ataque isquêmico transitório (AIT). O AIT se caracteriza por obstrução passageira de um dos vasos sanguíneos, que é revertida espontaneamente antes de causar lesão cerebral.

Há pessoas mais predispostas a sofrerem um AVC?
Existem fatores que podem facilitar a ocorrência de um AVC e o manejo deles é importante para o aumento do tempo e da qualidade de vida. Os principais fatores predisponentes para o evento são idade avançada, doenças vasculares ou cardíacas prévias, tabagismo, hipertensão arterial, diabete, excesso de peso, estresse, sedentarismo e uso abusivo de álcool.

Existem sintomas ou sinais de que o indivíduo possa vir a ter um AVC?
Alguns sintomas podem indicar o surgimento de um AVC, tais como: dor de cabeça intensa sem causa conhecida, confusão mental, dificuldade de fala, dificuldade para caminhar, alterações súbitas de visão, fraqueza ou dormência na face, nos braços ou nas pernas, especialmente se isso ocorrer de um lado do corpo.

Qual é a importância dos primeiros socorros?
Várias possibilidades de tratamento têm sido eficientes na recuperação após um AVC. A trombólise (tratamento de dissolução do coágulo no caso de AVC isquêmico) é uma importante opção para alguns pacientes e depende criticamente do tempo de espera para o tratamento, que pode ser dado até 4 horas e 30 minutos após o início do AVC, mas quanto mais precoce o tratamento é administrado, melhor é o seu efeito.

Quais são as complicações que podem ocorrer após um AVC?
As sequelas causadas pelo AVC dependem da região do cérebro que foi afetada e da sua extensão. Elas podem englobar dificuldades para caminhar, falar ou comprometimento da visão. Sequelas graves ocorrem em 25% dos casos, no entanto, em alguns pacientes, a irrigação sanguínea cerebral é retomada tão rapidamente que não deixa alterações no funcionamento do organismo.

Quais são as perspectivas de acompanhamento após o AVC?
Embora a reabilitação não recupere os danos cerebrais, ela pode melhorar consideravelmente a capacidade funcional, levando a uma melhor qualidade de vida. Pessoas que tiveram um AVC necessitam de acompanhamento a longo prazo e monitorização para garantir que tenham estratégias preventivas e controle adequado dos fatores de risco, além de terapia dirigida para otimização de suas atividades de vida diária, mobilidade, dor, continência, comunicação, humor e cognição.

Existe prevenção?
O foco do combate à doença é a prevenção dos fatores de risco que dependem, principalmente, de hábitos saudáveis de vida e controle de doenças.

Busque socorro urgentemente
“Na ocorrência de algum sintoma sugestivo de AVC, é importante a busca por atendimento de emergência para evitar o aumento da lesão cerebral caso o diagnóstico seja confirmado, minimizando possíveis sequelas”, enfatiza a médica.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE