Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Tecnologia
Luz azul perigosa

Seu smartphone pode cegar você

Pesquisa da University of Toledo, dos EUA, aponta que luz azul das telas mata células dos olhos
15/08/2018 18:06 15/08/2018 18:24

FreeImages.com
Estudo norte-americano detalha como células do olho são prejudicadas pela luz azul, tanto a solar quanto a dos smartphones e tablets
Pesquisadores da University of Toledo, dos Estados Unidos, publicaram agora em agosto estudo sobre o impacto da luz azul e ultravioleta sobre os olhos. O estudo observou o fenômeno químico que acontece quando células fotorreceptoras são expostas a brilho azul e detalhou seu papel na degradação dos olhos, que nos EUA é a principal causa para cegueira durante o envelhecimento.

Os pesquisadores, que publicaram o relatório em um artigo científico na revista especializada Scientific Reports, explicaram que já era conhecido que a luz azul e a ultravioleta prejudicam a visão, mas que seu estudo é o primeiro a detalhar como isso acontece. As luzes de outras cores não têm efeito perigoso, conforme o estudo, mas a azul destrói células. Ao longo dos anos, este efeito causa doenças como a degeneração macular, que é causa de cegueira entre os 50 e 60 anos. Não há cura.

Os cientistas estão agora fazendo um novo estudo sobre a intensidade da luz azul presente nos celulares, tablets e televisores. Em condições normais, um dos pesquisadores comenta que o brilho do celular pode oferecer níveis seguros, ou comparáveis aos da luz solar diurna refletida no ambiente. Porém, ao olhar a tela do smartphone ou do tablet no escuro, à noite ou em quartos fechados, a exposição aumenta e pode se tornar mais perigosa.

Entre as recomendações práticas, estão não passar muito tempo observando telas brilhantes no escuro. Outra sugestão é utilizar óculos com proteção contra UV, que costuma ser aplicada em lentes de grau, o que diminui a exposição.

Veja divulgação sobre o estudo original, em inglês, no site da universidade



Correio de Gravataí

Tecnologia

por André Moraes
andre.moraes@gruposinos.com.br

André Moraes é editor de Tecnologia do Jornal NH. Sua experiência profissional inclui o jornalismo de divulgação científica, publicações técnicas e reportagem de tecnologia.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE