Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
XYZ
Aos 91 anos

Morreu o tradicionalista Paixão Côrtes

Modelo para a estátua do Laçador, ele foi um dos fundadores do movimento tradicionalista gaúcho
27/08/2018 17:13 27/08/2018 23:28

Divulgação
Paixão Côrtes em homenagem em Porto Alegre em 2017

Morreu na tarde desta segunda-feira (27), no Hospital Ernesto Dornelles, em Porto Alegre, aos 91 anos, o tradicionalista Paixão Côrtes. Um dos criadores do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG) e modelo da estátua do Laçador, Côrtes estava na UTI do hospital se recuperando de complicações após uma cirurgia. O hospital não divulgou a causa da morte.

Nascido em Santana do Livramento, no dia 12 de julho de 1927, João Carlos D’Ávila Paixão Côrtes organizou e fundou em 1948 o 35 CTG, e, em 1953, fundou o Conjunto Folclórico Tropeiros da Tradição. Para o coordenador da 30ª Região Tradicionalista, que abrange 12 municípios do Vale do Sinos e da Encosta da Serra, Carlos Moser, a morte do ícone tradicionalista representa uma perda para todo o Estado. “Perdeu-se parte da história gaúcha. O movimento todo foi criado em cima da imagem dele. O sistema, a organização, a filosofia de vida que se chama Movimento Tradicionalista Gaúcho. A história perde, o Rio Grande perde, a cultura do mundo perde”, lamenta Moser.

O Laçador

Wikimedia Commons
O tradicionalista Paixão Côrtes, um dos criadores do Movimento Tradicionalista Gaúcho
Recebendo quem chega a Porto Alegre, a estátua do Laçador foi criada em 1954, durante Exposição do IV Centenário de fundação da cidade de São Paulo. Criada pelo artista plástico Antônio Caringi, foi a vencedora de um concurso público como símbolo do Rio Grande do Sul e esculpida em gesso. Após reivindicação por parte dos gaúchos, a estátua foi esculpida em bronze e instalada em Porto Alegre, no dia 20 de setembro de 1958, no Largo do Bombeiro, sendo transferida para o sítio do Laçador, em frente ao Aeroporto Salgado Filho, no ano de 2007.

“Ele é a figura do homem campeiro, do homem rural, que foi em busca da valorização. Ele é esta imagem. Poderia ter sido qualquer outro, mas a escolha dele foi muito feliz. A história da estátua se mistura com o mito Paixão e a figura dele se mistura com a da estátua. Não se fala em um sem falar do outro”, diz Moser.

Legado que deixou o  Estado e tomou o mundo

O Movimento Tradicionalista Gaúcho teve como marco inicial o 35 CTG, mas só passou a ser identificado como MTG em 1966. Paixão Côrtes foi um dos nomes responsáveis por sua fundação. Segundo Moser, os ideais de Côrtes seguem como preceitos do movimento. “Há 70 e poucos anos, uma gurizada se reuniu para vislumbrar algo que hoje é o MTG, uma organização que tem mais de 1,6 mil entidades filiadas só no Estado, fora aquelas filiadas no Brasil e no mundo. Um movimento de valorização da nossa terra que se reaproximou do Paixão nos últimos 3 anos. Ele voltou a ter o seu espaço no MTG.”

Sartori declara luto oficial

Ainda na tarde desta segunda-feira, o governador do Estado, José Ivo Sartori declarou luto oficial de três dias e ofereceu o Palácio Piratini para cerimônia do velório. Entidades e artistas de todo o Estado também se manifestaram em solidariedade à família do tradicionalista. Para a colunista tradicionalista do Jornal NH, Zelita Marina, a perda de Côrtes é irreparável para o Estado. “Conhecia ele há muitos anos. Uma época ele lecionou no curso de folclore na Feevale e conversei muito com ele. Sempre presente na vida e grande incentivador da juventude. É um mestre e uma pessoa respeitada. Ainda neste ano ele pesquisava e dava palestras. Para o movimento é uma perda irreparável, fica uma grande lacuna para o nosso Estado.”


Correio de Gravataí

XYZ

por André Moraes
andre.moraes@gruposinos.com.br

Assim como na tradicional coluna semanal de variedades do jornal ABC Domingo, o XYZ fala de cinema, tevê, quadrinhos, nostalgia e assuntos da cultura pop em geral. Informação e curiosidades com um toque de humor.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE