Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
Médico explica

Você sabe a diferença entre o espasmo muscular e a câimbra?

Ortopedista, traumatologista e especialista em cirurgia da coluna, Thiago dos Santos, traz detalhes da contração involuntária do músculo
12/07/2018 11:45 12/07/2018 11:50

Divulgação
Ortopedista, traumatologista e especialista em cirurgia da coluna, Thiago dos Santos
Em dias de Copa do Mundo, situações vivenciadas pelos jogadores também alertam para os cuidados com a saúde de quem está de fora dos gramados. Uma delas foi a lesão que tirou o lateral-esquerdo da seleção brasileira Marcelo na partida contra a Sérvia, o espasmo muscular. O ortopedista, traumatologista e especialista em cirurgia da coluna, Thiago dos Santos, traz mais detalhes desta contração involuntária do músculo, geralmente acompanhada de dor.

Que áreas do corpo podem ter um espasmo muscular?
Na coluna vertebral, as áreas mais acometidas são a coluna lombar e cervical, porém qualquer área em que exista grupos musculares podem sofrer contraturas.

Quais as principais causas desse espasmo? Colchão e estresse podem ser fatores?
Existem inúmeras causas. Traumas agudos, estiramentos musculares, fadiga por exercício, fadiga por trabalho exaustivo, movimentos inadequados, estresse físico e emocional, patologias que causam inflamações, fraturas, distúrbios minerais, entre outros. O colchão pode causar se inadequado para seu peso, ou muito macio ou muito duro, é preciso escolher a densidade do colchão de acordo com seu peso. O estresse e tensão é uma das causas mais comuns de contraturas musculares, principalmente na região cervical.

O espasmo muscular é sempre doloroso ou há casos em que passa despercebido?
E há casos em que a dor se prolonga por vários dias?
O espaço muscular pode iniciar como um leve desconforto e evoluir para uma situação mais dolorosa e, de fato, prolongar-se por mais tempo dependendo da causa. Por exemplo: pacientes com alterações crônicas de desgaste na coluna e com sintomas recorrentes podem apresentar situações prolongadas, necessitando de tratamentos longos.

Como diferenciar um espasmo muscular de uma câimbra, por exemplo?
A câimbra também é uma contratura do músculo, porém rápida. Na maioria das vezes não é grave, acusada mais comumente por falta de água no músculo ou exercício físico intenso. O último por falta de oxigênio e acúmulo de ácido lático e o primeiro
por alteração de minerais. Repouso, alongamentos e reposição de água e eletrólitos (potássio, magnésio, cálcio, etc) é suficiente para o alívio.

Que tipo de tratamento é feito para o espasmo?
O principal é identificar causa e a partir daí se planeja o tratamento. De forma inicial, medicamentos como anti-inflamatórios, miorrelaxantes e analgésicos. Pode se associar compressas quente ou fria. Dependendo da origem, podemos lançar mão de fisioterapia, acupuntura, alongamentos e massagens, entre outras terapias.

Depois de tratado, o espasmo muscular pode retornar? No mesmo lugar?
O espasmo pode retornar sim. Em relação à coluna, sabemos que quem tem uma crise tem mais chance de ter nova crise que uma pessoa que nunca teve. Nesses casos, não basta tratarmos a situação, temos que criar condições de evitar novas crises. Para isso, são necessárias mudanças de hábitos, ergonomia no trabalho, diminuição do estresse, exercícios. Temos que prevenir e promover um bem-estar.

O espasmo é mais comum em algum grupo específico?
O espasmo, de forma geral, está mais presentes em quem submete seu corpo a atividades repetitivas e pouco ergonômicas. Fatores de estresse físico e psicológico são importantes desencadeadores. Pacientes ativos e jovens estão mais sujeitos a essas condições.

Nesta fase é preciso suspender a atividade física ou forçar o treinamento para melhorar?
Quando sintomático, é melhor fazer medidas para alívio do espasmo e após retornar a sua rotina de exercícios. Forçar não é recomendado.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE