Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Saúde

Número de mortes de pessoas com HIV cai no Estado; prevenção ainda é necessária

O número de mortes ainda é alto, mas há uma tendência de queda: só no Rio Grande do Sul, a taxa de mortalidade caiu 17,2% entre 2006 e 2016
11/07/2018 17:19 11/07/2018 17:22

Marcelo Camargo
Teste rápido de HIV ajuda a diagnosticar a doença
Foi realizada nesta quarta-feira (11), em Porto Alegre, a segunda reunião do Grupo de Trabalho da Unaids 2018. Pela primeira vez, o encontro ocorreu fora de Brasília. O GT Unaids (Grupo Temático Ampliado das Nações Unidas sobre HIV/Aids) é um dos braços do Unaids, o programa da ONU que busca soluções para combater a enfermidade no mundo inteiro. Com a colaboração de parceiros globais, nacionais e regionais, a meta é acabar com a epidemia da Aids até 2030.

Entre janeiro de 2007 e janeiro de 2017, foram notificados 194.217 casos de infecção pelo HIV no Brasil, sendo que 40.275 foram na Região Sul e 18.901 no Rio Grande do Sul. Em relação à mortalidade (com dados de 2016), a média nacional é de 5,2 óbitos para cada 100 mil habitantes. Na Região Sul, são 6,7 óbitos para cada 100 mil habitantes. E, no Estado, 9,6 óbitos para cada 100 mil habitantes. O número de mortes ainda é alto, mas há uma tendência de queda: só no Rio Grande do Sul, a taxa de mortalidade caiu 17,2% entre 2006 e 2016.

O secretário da Saúde, Francisco Paz, lembrou no encontro desta quarta que o Rio Grande do Sul foi o primeiro Estado brasileiro a assinar a Declaração de Paris, em dezembro de 2015. O documento estabelece metas que são conhecidas como 90-90-90, até 2020. Significa que 90% das pessoas que vivem com o HIV façam o teste; que 90% destas estejam em tratamento antirretroviral; e que, destas, 90% tenham carga viral indetectável.

Até o momento, segundo a SES, o RS tem o seguinte balanço: dos 90% pacientes diagnosticados, 66% fizeram o teste. Destes, 72% estão em tratamento antirretroviral. E, destes, 90% tem carga viram indetectável.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE