Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Venda de estatais

Deputados derrubam proposta de mais prazo para plebiscito das privatizações

O texto foi rejeitado por 29 votos a 23 na tarde desta terça-feira
05/06/2018 21:16 05/06/2018 21:18

Divulgação
Assembleia Legislativa, Porto Alegre
Na sessão plenária desta terça-feira (5) na Assembleia Legislativa do Estado, os deputados derrubaram o projeto de lei relativo à diminuição do prazo para convocação de plebiscito em ano eleitoral para a venda de companhias estatais. Com a derrubada, o projeto será arquivado. O texto foi rejeitado por 29 votos a 23.

Após a deliberação de duas matérias logo no início da sessão, o plenário começou a discutir o PL 69 2018, do Poder Executivo, que altera a lei que dispõe sobre a realização de consultas referendárias e plebiscitárias no âmbito das competências da Assembleia Legislativa, que busca reduzir de 150 para 90 dias antes da eleição o prazo para que a consulta seja convocada. Esta pauta já está na Casa desde 2016.



Durante sua fala, o deputado estadual Frederico Antunes (PP) lembrou que a questão do futuro das estatais é um dos principais assuntos deliberados ao longo do tempo em plenário, lembrando que já estava na Casa quando foi incluída na Constituição Estadual a necessidade de realização de consultar à população para poder alienar a CEEE, CRM e Sulgás. "O que estamos votando aqui precede o PDL de convocação do plebiscito, que é a alteração de data para a chamada plebiscitária", explicou.

Sérgio Turra (PP) classificou o dia de hoje como histórico. "Aqui poderemos decidir o futuro do Rio Grande do Sul, que é ouvir aqueles que são os maiores interessados, os cidadãos, que são os pagadores de impostos", declarou. Fez um apelo para que as bancadas do PDT, PTB e PSDB não tratem o projeto de maneira eleitoral.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE