Olá leitor, tudo bem?

Use os í­cones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, ví­deos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Luiz Coronel

Entre o sim e o não, resta o talvez

"Quando se ama o conflito, o conflito não tem solução. Em casa dividida, cai o teto sobre os alicerces"
13/05/2018 06:30

Luiz Coronel é poeta
www.luizcoronel.com.br

1. Amigos deste fértil Vale dos Sinos: a esquerda bate a tecla de distribuição da renda. Centro e direita propagam a política de crescimento econômico. E parece que ambas as partes não percebem que não se trata de projetos excludentes, mas de metas que deveriam ser unitárias e simultâneas.

2. Quando os números dizem “não”, todo discurso é capenga. Tivesse o governo petista & Cia. Ltda. alcançado altos índices de desenvolvimento econômico, estaria nadando em águas doces. O impeachment da ex-presidente Dilma e a recessão econômica andaram de mãos dadas. Caminharam de olhos vendados para o cadafalso.

3. Ele falou e disse. Um dos mais férteis pensadores contemporâneos, cultuado pela esquerda mundo afora, o linguista Noam Chomsky, jogou a bola no fundo das redes: “A esquerda deveria fazer uma autocrítica muito séria. Examinar o que deu errado e pensar em todas oportunidades desperdiçadas porque sucumbiu à maldição da corrupção e planejamentos falhos”.

4. Os salvadores da pátria. O que mais dificulta a reflexão e atitude política dos brasileiros é o “complexo de salvadores da pátria”. Minhas ideias hão de conduzir o País ao seu glorioso destino, dizem os do lado de lá, e os do lado de cá batem na mesma tecla. E quem estiver contra minhas ideias, para a esquerda, é um fascista. Para a direita, é um petralha, comuna. E assim o barco não vai. Quando se ama o conflito, o conflito não tem solução. Em casa dividida, cai o teto sobre os alicerces.

5. O desalento de uma pesquisa. Uma avaliação sobre o que sentem e pensam os brasileiros de nossos dias teve respostas desanimadoras. O grande temor é o desemprego. Um desapego, descrença no que se refere aos poderes e instituições republicanos, domina a pesquisa. A percepção da violência como uma calamidade e o pessimismo em relação ao futuro e à frágil esperança em relação às eleições de 2018 concluem o levantamento realizado pelo Datafolha. É o nosso retrato. Que seja provisório e substituível, almejamos.

6. A construção do amanhã. O único líder brasileiro vivo, o homem que engendrou jogos olímpicos e estádios de futebol, está numa pequena sala com direito a duas horas de sol. Precisamos de alguém que pacifique a nação brasileira. Nenhum maestro do mundo é competente para reger uma orquestra onde as partituras estejam caoticamente distribuídas. Que a batuta caia em mãos soberanas. Sem uma reformulação de nossa representatividade política, nada chegará a bom resultado. “Quem tem coragem acorda no futuro”, escreveu nosso Mario Quintana.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE