Publicidade
Acompanhe:
Notícias | Região RS-118

Obras estão paradas no viaduto da avenida Itacolomi

Expectativa da Secretaria de Transportes é concluir obras até final do ano, mas hoje está tudo parado

Por Bruna Aquino
Última atualização: 22.09.2017 às 10:35


Rodrigo Becker/GES-Especial
Obras estão paradas
A novela da duplicação da RS-118 está ganhando mais um capítulo. A previsão de conclusão do viaduto na avenida Itacolomi é dezembro, mas pode ser que a expectativa da Secretaria Estadual dos Transportes seja frustrada devido ao seguinte detalhe: as obras estão paradas. 

"Agora estamos terminando a segunda parte e começando a fazer os acessos. A nossa esperança é terminar até o final do ano. É uma expectativa. Agora a obra está com problema no Ministério do Trabalho e está parada. São percalços que aparecem", afirmou o engenheiro Vicente de Britto Pereira, coordenador das concessões da RS-118, ao citar que uma "questão de segurança" é o motivo da interrupção nas atividades. 

Duas empresas trabalham na obra de arte, como é chamado este tipo de construção: Premold e Triunfo - esta com uma participação reduzida. Os acessos ao viaduto já estão em contrato, de acordo com o engenheiro, restando apenas a execução. "A questão dos acessos faz parte do próprio contrato da empresa. A Premold é responsável por toda parte de estrutura da obra de arte e a Triunfo faria toda a obra das partes do acesso. As obras civis estão incluídas no contrato. É por isso que tiveram que fazer a reintegração de posse. A estrutura tá praticamente pronta e agora só falta fazer os acessos", explicou Pereira. 

Conforme a assessoria de imprensa da secretaria, foi executado até o dia 31 de julho, além das ruas laterais para desvio do tráfego, o lado esquerdo do viaduto, "com exceção dos aterros dos encontros". No lado direito, cinco questões estão pendentes: guarda rodas pré-moldados (80%), transversinas (80%), montagem das lajes pré-moldadas (70%), montagem das vigas de balanço (50%) e montagem das armaduras da laje superior (50%). Drenagem, pavimentação, terraplanagem, restauração e sinalização estão em fase de desenvolvimento na rodovia gaúcha. 

O viaduto Itacolomi tem custo estimado em R$ 18 milhões. A estrutura do viaduto tem 202 metros de extensão e sua construção integra o projeto de duplicação da estrada estadual. Ao todo, são 22,4 quilômetros da RS-118 que estão em obras ou em processo de licitação. O trecho vai do entroncamento da BR-116, em Sapucaia do Sul, até o encontro com a free way (BR-290), em Gravataí. A duplicação foi anunciada em 1996, pelo então governador do Estado Antônio Britto.

O impasse da reintegração de posse


Rodrigo Becker/GES-Especial
Viaduto parado
Na semana passada, o governo estadual realizou mais uma etapa da reintegração de posse de uma área que abrange a duplicação. Para isso, a estrada teve de ser bloqueada em ambos os sentidos. Cerca de 40 famílias deixaram o local, que fica entre os quilômetros 19 e 20, e pertence ao Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem, conforme a Justiça. No final de agosto, 21 residências e 10 estabelecimentos comerciais localizados no quilômetro 18 foram alvo de reintegração. Na ocasião, o mandado foi expedido pela juíza Keila Silene Tortelli, da 1ª Vara Cível de Gravataí. 

Conferindo de perto

No dia 1º de agosto, o governador José Ivo Sartori visitou as obras de duplicação da RS-118. Acompanhado do secretário dos Transportes, Pedro Westphalen, Sartori vistoriou o trecho entre os quilômetros 6 e 18 e afirmou que a conclusão da obra é uma prioridade de seu governo. Também presente à vistoria, o prefeito Marco Alba destacou como "fundamental" a conclusão da duplicação. "Esta é uma obra aguardada por toda a população que vai melhorar muito a trafegabilidade e a mobilidade em nossa região."

Tecnologia inédita

A obra de duplicação da RS-118 é a primeira no país a utilizar a fragmentação por ressonância. O equipamento, trazido dos Estados Unidos, emite radiação ressonante para fragmentar blocos de concreto e reaproveitá-los na reconstrução do trecho. A técnica ainda reduz o impacto ambiental e o custo das obras de recuperação de rodovias. 

Gostou desta matéria? Compartilhe!
Encontrou erro? Avise a redação.
Publicidade

Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.