Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Cris Manfro

Recolhendo as asas

"Chega o dia em que a sua caçula, o seu 'bebê', pega as malas e diz que está indo, e que sempre voltará, mas para visitar você"
04/02/2018 06:00

Cris Manfro é psicóloga clínica, terapeuta de família e casal e mediadora familiar
acmanfro@terra.com.br

Eu sabia que esse dia chegaria. Na verdade sempre o desejei. É uma contradição querer que os filhos cresçam rapidamente e que passem para outras fases da vida e depois ter o desejo de que eles voltem correndo de volta a cada uma delas. Chega o dia em que a sua caçula, o seu “bebê”, pega as malas e diz que está indo, e que sempre voltará, mas para visitar você. Agora ela sai e você não terá que esperar que no final da noite ela, por favor, apareça, porque ela vai é para a casa dela. Para pais o tempo sempre passa rápido demais. Será que dá para voltar correndo pra trás e ficar mais tempo com ela? Brincar mais, aconchegar mais, ter mais paciência, não encher tanto o saco com coisas bobas, não cobrar tanto ou quem sabe cobrar mais? Ter dado mais colo. É época de balanço.

O tempo está passando, mas para quem tem o vírus da maternidade e paternidade o tempo estagna na cabeça. Independente da idade dos filhos, os pais continuam a chamá-los de crianças até que percebem que chamá-los assim é bizarro. Mas tem mais, crescimento sempre vem em forma de efeito dominó e isso quer dizer que em breve o outro filho também sairá e eles vão nesse crescimento em cascata e você assiste e ajuda no que pode. Sabendo que tem que segurar a onda e torcendo para que o filho que fique em casa, fique um pouquinho mais, tipo só mais alguns anos.

Tomara que você tenha ajudado a fazer uma boa mala, com boas atitudes, bom caráter, respeito, comprometimento, flexibilidade, lealdade, fidelidade, paciência e muita tolerância à frustração. Eles ainda não sabem, ou sabem na cabeça, porque ouviram de você, mas não sabem no coração que muitas tempestades virão e você terá que deixá-los navegar e dirigir o barco de suas vidas com as poucas aulas e com os exemplos que você deu. Ensinamos muito mais com os exemplos do que com o que dizemos. Portanto, cuidado em como você leva a sua vida. Elas, “as crianças”, estão pegando tudo. Penso que deveria ser obrigatória a guarda compartilhada, tipo uma vez por semana dormirem com os pais. No meio dos pais. Penso a mesma coisa em relação aos netos. Mas, como pessoas bem resolvidas, adultas e maduras que somos, sorrimos, pegamos nosso lenço, mas para abanar, e damos um podem ir, até breve, até daqui a pouco. Torcendo para que eventualmente ainda necessitem de nós ou, não necessitando, o que será uma boa constatação do bom trabalho que você fez, eventualmente deem um telefone e digam que sentem saudades. Como li alguns dias atrás, “chegou o tempo de recolhermos as nossas asas, celebrar as suas vitórias e apoiar as suas decisões, mesmo que os levem longe. Isso é amor”. Acho que agora quem precisa de colo sou eu...


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE