Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Tragédia

Incêndio em hospital da Coreia do Sul deixa pelo menos 41 mortos

Dezenas de pessoas ficaram feridas
26/01/2018 08:09 26/01/2018 08:10

  • Todos os pacientes foram retirados do hospital de Miryang e de uma residência de idosos do mesmo edifício
    Foto: Jung Yeon-Je /AFP
  • Duas enfermeiras disseram ter visto o fogo entrar na sala de emergência
    Foto: Yonhap/AFP
  • Prédio abriga um hospital e um asilo na cidade meridional de Miryang
    Foto: Yonhap/AFP
  • Quase 200 pessoas estavam no prédio quando o incêndio começou
    Foto: Yonhap/AFP
  • Edifício tem seis andares
    Foto: Yonhap/AFP
Um incêndio destruiu nesta sexta-feira (26) um hospital da Coreia do Sul e deixou pelo menos 41 mortos e dezenas de feridos, segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap. As chamas afetaram um edifício de seis andares, que abriga o hospital e um asilo na cidade meridional de Miryang.

O balanço de mortos na catástrofe, a maior registrada no país em mais de uma década, aumentou durante a manhã. As chamas deixaram 41 mortos e mais de 80 feridos, de acordo com a Yonhap, que citou o Corpo de Bombeiros.

Em vídeos publicados nas redes sociais é possível observar um paciente agarrado em uma corda lançada a partir de um helicóptero que sobrevoava o hospital. Outro paciente saiu por uma janela para alcançar uma escada. "Duas enfermeiras disseram ter visto o fogo entrar na sala de emergência", contou um funcionário dos bombeiros, Choi Man-Woo.

Todos os pacientes foram retirados do hospital de Miryang e de uma residência de idosos do mesmo edifício, acrescentou. A transferência das 15 pessoas internadas no CTI, no terceiro andar, demorou mais tempo porque os bombeiros precisaram agir sob supervisão médica. "As vítimas procedem tanto do hospital como da residência de idosos. Algumas morreram a caminho do hospital", indicou Choi Man-Woo.

Quase 200 pessoas estavam no prédio quando o incêndio começou, informou a polícia. Vídeos e fotografias mostraram o hospital envolto por uma nuvem de fumaça e cercado por vários caminhões do Corpo de Bombeiros. Depois que as chamas foram controladas, os bombeiros começaram a procurar possíveis vítimas entre os escombros do edifício.

O presidente sul-coreano Moon Jae-In organizou uma reunião de emergência com os conselheiros para determinas as medidas que devem ser adotadas.

No mês passado, 29 pessoas morreram em um incêndio em um ginásio da cidade de Jecheon (norte), uma catástrofe atribuída às poucas saídas de emergências, aos materiais inflamáveis utilizados no edifício e aos carros que estavam mal estacionados e que bloquearam o acesso dos veículos de emergência.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE