Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Internacional

França vai reduzir penalização por consumo de maconha

Ministro francês afirmou que apesar da flexibilização, país não pretende liberar o uso do entorpecente
25/01/2018 18:01 25/01/2018 18:48

FreeImages/FreeImages/Divulgação
Medida não altera as regras para importação de medicamentos com canabidiol ou outros extratos da maconha.
O governo francês anunciou, nesta quinta-feira (25), uma nova postura em relação aos usuários de maconha. As sentenças de prisão e duras multas vão dar lugar a sanções aplicadas no local em que o fumante for flagrado, a fim de economizar o tempo investido pela polícia.

A França é um dos maiores consumidores de cannabis da Europa, com cerca de 700 mil usuários diários da droga, segundo estimativas. Contudo, a legislação do país sobre drogas é uma das mais rigorosas do continente. As pessoas flagradas fumando maconha enfrentam multas de até  3.750 euros a penas de até um ano de prisão, apesar de na prática costumarem ser liberadas após uma ameaça.

"Vamos simplificar as multas para esse delito", disse nesta quinta-feira o ministro francês do Interior, Gérard Collomb, confirmando uma promessa de campanha do presidente Emmanuel Macron. Ele afirmou, no entanto, que Macron não vai seguir os passos de Espanha e Holanda, que aceitam o uso de cannabis entre adultos, e muito menos legalizar o consumo recreativo, como fez o Uruguai. "Não haverá uma descriminalização do uso da maconha", afirmou Collomb, alertando que reincidentes e suspeitos de tráfico serão julgados.

O governo passará a aplicar uma multa na hora do flagrante de entre 150 e 200 euros, baseando-se nas recomendações de um relatório parlamentar.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE