Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
PUBLICIDADE
Igualdade

Islândia é o 1º país a tornar ilegal diferença de salários entre homens e mulheres

No mundo, eles ainda ganham 75% mais que elas
04/01/2018 08:30 04/01/2018 08:31

OLIVIER MORIN/AFP/GETTY IMAGES
Islândia é considerado o país mais igual entre homens e mulheres
A Islândia se tornou o primeiro país do mundo a tornar ilegal a diferença de salários entre homens e mulheres. A lei entrou em vigor no dia 1º de janeiro e prevê multas para empresas que descumprirem a proibição de diferenças de remuneração por causa de gênero.

A nova legislação também estabelece que companhias e agências do governo com mais de 25 funcionários devem obter uma certificação para suas políticas de igualdade de remuneração entre os gêneros.

O país nórdico é líder há nove anos do Índice de Igualdade de Gênero do Fórum Econômico Mundial, em um levantamento que inclui 12 países. Em segundo lugar, está a Noruega, seguida pela Finlândia. No mundo, ainda há uma diferença de 75% dos salários de homens e mulheres, em média, segundo o Fórum. Em 2017, enquanto elas ganhavam US$ 12 mil por ano, eles recebiam US$ 21 mil.

"Este é um mecanismo para assegurar que mulheres e homens estão sendo pagos de forma igual. Temos legislação dizendo que o pagamento deve ser igual há décadas, mas ainda temos uma defasagem na remuneração", disse ao site da Al Jazeera Dagny Osk Aradottir Pind, integrante do Conselho da Associação de Direitos das Mulheres da Islândia.

"Acho que agora as pessoas estão começando a perceber que este é um problema sistemático que devemos lidar com novos métodos. As mulheres vêm falando isso há décadas, isso aumentou o conhecimento, mas percebemos que a legislação em vigor não está funcionando, precisamos fazer mais."

O governo da Islândia se comprometeu a erradicar a diferença de remuneração entre homens e mulheres até 2022.


Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE