Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423 (parada 63) - Monte Belo - Gravataí - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

Central do Assinante: (51) 3600.3636
Central de Vendas: (51) 3591.2020
Whatsapp: (51) 99101.0318
Imunização

Vacina aprovada pela Anvisa amplia proteção contra o HPV

Medicamento inclui cinco novos subtipos na proteção contra o vírus
27/12/2017 11:56 27/12/2017 13:30

Uma nova vacina aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), na terça-feira (26), vai ampliar a proteção contra o papilomavírus humano (HPV). O medicamento é o Gardasil 9 que inclui cinco novos subtipos na proteção contra o HPV - vírus associado a vários tipos de câncer, principalmente ao de colo de útero, mas também de pênis, de vulva, de canal anal e de orofaringe.

O Gardasil 9 foi aprovado com indicação para meninos e meninas de 9 a 26 anos. O ideal é que a imunização contra o HPV seja feita antes do início da vida sexual, já que o HPV é transmitido por meio de relações sexuais.

A nova vacina, registrada pelo laboratório Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda., inclui os subtipos 31, 33, 45, 52 e 58 do HPV, além dos subtipos 6, 11, 16, 18 que existiam na versão anterior do produto. 

Incidência no Brasil

Estudo do Ministério da Saúde, divulgado em novembro, aponta uma prevalência de 54,6% de casos de HPV entre a população brasileira de 16 a 25 anos, sendo que 38,4% são de tipos de alto risco para o desenvolvimento de câncer.

As relações sexuais são a principal forma de transmissão do vírus, mas ele também pode ser disseminado pelo sangue, por roupas ou objetos contaminados (como toalhas, roupas íntimas ou sabonetes), pelo beijo e durante o parto.

A doença causa feridas principalmente na região genital, mas também em outras partes do corpo, como pernas e braços. O maior perigo está nas verrugas que aparecem internamente, perto do útero, que não são visíveis e, sem tratamento, podem levar ao câncer.



Correio de Gravataí
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE