Olá leitor, tudo bem?

Use os ícones abaixo para compartilhar o conteúdo.
Todo o nosso material editorial (textos, fotos, vídeos e artes) está protegido pela legislação brasileira sobre direitos autorais. Não é legal reproduzir o conteúdo em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico.
VOLTAR
FECHAR

Av. Dorival Cândido Luz de Oliveira, 6423, 2º andar. Parada 63 - Vera Cruz - Gravataí. - CEP: 94050-000
Fones: (51) 3489-4000

PUBLICIDADE
Polícia

Comunidade insegura na Avenida dos Estados

Comerciantes relatam assaltos e tiroteio durante o dia
Marla Cardoso/GES-Especial
Localidade parece tranquila, mas sofre com ação de criminosos
“Eles vieram correndo pela rua. Enquanto um fugia, o outro atirava. Foram diversos disparos, até que o perseguido acabou caindo ali na esquina. Só vi o outro apontar bem a arma pra cabeça do que estava no chão e atirar, mas as balas tinham acabado. Puxei a cortina correndo. Não queria ver aquela cena. Depois, vizinhos disseram ele deu várias coronhadas no rosto do desafeto e fugiu.”
O parágrafo acima poderia ser um bom começo para um livro ou quem sabe até um filme. O problema aqui é que isso ocorreu na vida real, na tarde da última segunda-feira, 9, no final da Avenida dos Estados, no bairro Bonsucesso, em Gravataí. Os comerciantes da região, nas proximidades com a Rua Senador Nei Britto, já parecem estar acostumados com a insegurança no local, mas o fato de tiro disparados em plena luz do dia, acabou chocando.
Duas comerciantes, que estão no local a pouco mais de um mês, estavam realmente assustadas na tarde de ontem. “Só o que consegui fazer ontem foi correr e baixar a porta de ferro. Meu filho estava aqui comigo e fiquei muito assustada com aquilo que vi.” A mulher ainda revela que continuará indo trabalhar porque necessita, mas que não se sente confortável com a situação. “Tenho medo de falar qualquer coisa, porque não sabemos o que pode acontecer.”
Enquanto a reportagem estava no local, por volta do mesmo horário do fato, ontem, uma viatura da Brigada Militar e outra da Guarda Municipal passaram fazendo ronda pelo local.
O relato
Com comércio no bairro há pouco mais de cinco meses, o homem de 41 anos que foi quem narrou o fato no início desta matéria, afirma que a expansão do seu negócio está ameaçada, por conta da falta de segurança no local. “Já pensei em aumentar a placa, arrumar aqui na frente, mas com todos esses assaltos que estão ocorrendo aqui perto, fico pensando se os criminosos não vão me ter como alvo, achando que estou bem de grana.”
Ele comenta que ainda não foi assaltado no local, mas que já sentiu duas vezes, que não foi vítima por pouco. “Infelizmente, ninguém está livre, em lugar algum, mas aqui está um pouco além do normal. Se conversarem com todos os comerciantes da volta, todos têm uma história ruim destas pra contar.”
Grupo do WhatsApp para troca de informações
Na mesma quadra, um outro comerciante de 33 anos revela que é através de um grupo de WhatsApp que todos da região ficam sabendo da insegurança no local. “Não tem um dia que não tenha o relato de um roubo ou assalto aqui na região. É por ali também que ficamos sabendo das características de quem está atuando no crime aqui”, comenta.
O homem ainda afirma que as rondas que vimos da Brigada e da Guarda são atípicas. “Eles só estão aqui hoje (ontem), porque teve o tiroteio.”
Levada de dentro da lavagem
Ainda na segunda-feira, por volta das 10 horas, uma caminhonete que havia sido deixada em uma lavagem, localizada na última quadra da Avenida dos Estados, foi roubada por criminosos à mão armada. Ela era de um cliente e estava no local para ser limpa. Populares acreditam que o veículo foi escolhido ao acaso e que, na verdade, um comércio ainda fechado é que seria o alvo.
Paradas de ônibus e pedestres
Ainda conforme relatos, assaltos ocorrem nas paradas de ônibus, no início da manhã, quando as pessoas estariam indo para o trabalho. Além disso, após o fechamento do comércio, pedestres acabam sendo alvo da criminalidade na região. “As pessoas andam assustadas, e não é só aqui no Bonsucesso, mas também na Planaltina”, afirma uma moradora. Ninguém quis se identificar, com medo de represálias.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Capa do dia

FOLHEIE O SEU JORNAL PREFERIDO NA TELA DO SEU COMPUTADOR.

ACESSE ASSINE AGORA
51 3600.3636
CENTRAL DO ASSINANTE

51 3591.2020
CENTRAL DE VENDAS DE ASSINATURAS