Jornais
FECHAR
  • Jornal NH
  • Jornal VS
  • Diário de Canoas
  • Jornal de Gramado
  • Diário de Cachoeirinha
Grupo Sinos
Correio de Gravataí
Publicado em 06/07/2015 - 12h15
Última atualização em 06/07/2015 - 12h15

Dana conquista prêmio com case de reciclagem de borracha

Benchmarking Brasil 2015 foi concedido pela segunda vez para a empresa

A Dana, de Gravataí, acaba de ser reconhecida no Prêmio Benchmarking Brasil 2015. A fabricante do setor automotivo ficou entre os projetos Top 10 com o case de Reciclagem de Borracha. Desde 2011, a operação de produtos para vedação do Complexo Industrial da Dana em Gravataí, passou a reciclar cerca de 50% de todo resíduo de borracha gerado na fábrica. Como a legislação permite que os resíduos de borracha sejam enviados para um aterro homologado, em 2010, a multinacional fechou parceria com a empresa Batistela, situada em Nova Santa Rita, para o desenvolvimento de uma solução que permite reciclar os resíduos de borracha oriundos do seu processo produtivo. A ampliação do percentual de pneus enviados pela empresa já está sendo planejada.

Para o country manager da Dana para o Brasil, Raul Germany, o reconhecimento é motivo de orgulho. “Mesmo sem que existisse uma cadeia de suprimento desenvolvida como a de pneus para reciclar a borracha, os profissionais da Dana buscaram por anos uma solução que nos permitisse chegar mais perto dos nossos objetivos”, enfatiza. De acordo com Sheila Castro, gerente de Gestão Ambiental e Risco da Dana, o prêmio destaca, em especial, a dedicação e empenho dos colaboradores. “Valorizamos a resiliência do nosso time na busca por uma alternativa que aplicasse o triângulo da sustentabilidade: ecologicamente correto, socialmente justo e economicamente viável. Este case contempla os três”, explica.

Premiação - Esta foi a 13ª edição do Prêmio Benchmarking Brasil e a segunda vez que a Dana participa e é premiada. Foram apresentados 58 cases, dos quais 28 classificados. O case vencedor foi o Mais Peixes, da Itaipu Binacional, seguido pela Cargill, com o case Pomarola. A diferença de pontuação entre os dez primeiros foi mínima, apenas 0,63 pontos.

Publicidade